Siga nossas redes sociais
27/05/2024

Entretenimento

Padre denuncia bispo emérito de Catanduva por estupro e assédio sexual

Published

on

Compartilhe

O Bispo Emérito de Catanduva, Dom Valdir Mamede, encontra-se sob investigação por supostos crimes de estupro, assédio e importunação sexual contra um padre. Os eventos teriam ocorrido no ano de 2023, mas somente em março deste ano o pároco decidiu registrar um boletim de ocorrência junto à Polícia Civil. As informações são do SBT News.

Conforme relatado pelo padre de 31 anos, diversas situações foram descritas onde o então bispo da Diocese de Catanduva, interior de São Paulo, teria utilizado sua autoridade religiosa para perpetrar os abusos. O ato de violência sexual teria ocorrido na residência do superior.

A vítima relata que o bispo pulou em cima dele, deu mordidas, fez ameaça, forçou beijos e sexo oral. Após o incidente, o bispo emérito, que havia renunciado ao cargo em novembro do ano anterior, teria pressionado o padre para manter silêncio sobre o ocorrido, alegando que “acabaria” com sua vida. O pároco afirmou que seria uma disputa de palavras entre ambos.

Adicionalmente, o padre afirmou que outros seminaristas também o procuraram, alegando terem sido vítimas de abuso sexual por parte do bispo emérito, que possui 62 anos.

A vítima optou por denunciar Dom Mamede à Nunciatura Apostólica. A investigação interna da igreja foi conduzida pelo Arcebispo de Ribeirão Preto (SP), Dom Moacir Silva. Em novembro, o Vaticano anunciou a aceitação da renúncia do bispo, sem, no entanto, divulgar os motivos para tal ação.

Apesar de sua renúncia, o bispo emérito continuou a receber salários e benefícios, o que gerou indignação por parte do padre. Como resultado, a vítima decidiu registrar um boletim de ocorrência junto à Polícia Civil, reunindo evidências como reproduções de conversas com o líder religioso e amostras de sêmen, que foram entregues aos investigadores responsáveis pelo inquérito.

A nota da Diocese de Catanduva diz que, “diante de infrações penais cometidas por membros da Igreja Católica em caráter individual, as autoridades competentes devem ser acionadas para tomar as providências cabíveis”.

Redação Exibir Gospel