Siga nossas redes sociais
18/05/2024

Destaques

Pastor David Eldridge recebe apoio de líderes após pregar contra a prática LGBTQ+

Published

on

Compartilhe

O pastor David Eldridge continua sendo criticado pela imprensa brasileira por ter falado que pecadores têm um lugar reservado no inferno, falando também sobre a homossexualidade.

A pregação polêmica foi feita durante um culto da União das Mocidades das Assembleias de Deus de Brasília (Umadeb) que aconteceu na semana passada.

“Todo homossexual tem uma reserva no inferno, toda lésbica tem uma reserva no inferno, todo transgênero tem uma reserva no inferno, todo bissexual tem uma reserva no inferno, toda drag queen tem uma reserva no inferno”, disse o pregador dos Estados Unidos.

O Ministério Público do Distrito Federal começou a investigar o caso após receber denúncias de que a fala do religioso configura homofobia e transfobia.

Mas alguns pastores defendem o que foi dito na Umadeb, pois se trata da liberdade religiosa de acordo com as Escrituras Sagradas.

O apóstolo César Augusto, da a igreja Fonte da Vida, disse que “Deus ama o ser humano, aquele que peca, e abomina o pecado. Adultério, prostituição, homossexualidade, tudo é prática pecaminosa. Todos que praticam o pecado… Não é a vontade de Deus levá-los para o inferno, mas eles fizeram opção de andar pelo caminho pecaminoso. Consequentemente, irão para o inferno se não se arrependerem.”

O pastor Silas Malafaia também comentou que, para ele, a Constituição Federal preserva os espaços religiosos para que seja falado o que cada religião acredita.

“Ninguém pode violar minha liberdade em crer em quem vai para o céu e quem vai para o inferno. É inviolável o lugar do culto. Estou lendo na Constituição: ninguém será privado de direitos por motivos de crença religiosa e de convicção filosófica ou política.”

O próprio pastor Eldridge se pronunciou em suas redes sociais, sem entrar nas questões envolvendo a Justiça brasileira ele escreveu: “Brasil, eu te amo. Salmos 118:6 ‘O Senhor está do meu lado: não temerei, que me pode fazer o homem?'”.

Redação Exibir /Leiliane Lopes