Siga nossas redes sociais
25/02/2024

Destaques

Por fala sobre ucranianas, Arthur do Val pode ser cassado e preso; entenda

Published

on

Compartilhe

A ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, respondeu prontamente aos áudios divulgados nas redes sociais onde o deputado estadual Arthur do Val (Podemos-SP), fala de forma machista sobre as mulheres da Ucrânia.

A líder da Pasta das Mulheres pediu a cassação do mandato do parlamentar e disse que as falas não foram infelizes, mas sim criminosas.

“Ele está achando que foi uma fala infeliz. Ele cometeu crime contra mulheres. Eu acho que esse ‘deputadozinho’ tinha que ser considerado persona non grata em qualquer país da Europa”, disse a ministra após afirmar que o pedido de cassação não será a única coisa que ela irá fazer.

“Quero conversar com as embaixadas da Europa, quero saber como esses meninos estão indo para lá para fazer esse turismo sexual. Na verdade, naquele áudio ele nos deu motivos para fazer uma ampla investigação”, disse ela.

Entenda a polêmica sobre as mulheres ucranianas

Arthur do Val, que é pré-candidato ao governo de São Paulo, deixou o Brasil para ver de perto a guerra na Ucrânia no dia 28 de fevereiro.

Após fazer vídeos mostrando que ele estava ajudando a população ucraniana a combater os soldados russos, um áudio escandaloso que o parlamentar enviou em um grupo de amigos revela uma opinião vergonhosa que ele tem sobre as mulheres ucranianas.

“Elas olham [para mim]. E vou te dizer: são fáceis porque elas são pobres. E aqui a minha carta do Instagram, cheio de inscritos, funciona demais. Depois eu conto a história. Não peguei ninguém, mas eu colei em duas ‘minas’, dois grupos de ‘mina’, e assim, é inacreditável a facilidade”, diz o deputado.

Em outra parte do áudio, ele elogia a beleza das ucranianas chamando-as de “deusas” por serem loiras e chega a dizer que, se fosse em São Paulo, meninas com a beleza das ucranianas desprezariam ele.

“Eu nunca na minha vida vi nada parecido em termos de ‘mina’ bonita. A fila das refugiadas, irmão, imagina uma fila de 200 metros, só deusa. É um bagulho fora de série. Se você pegar a fila da melhor balada do Brasil, na melhor época do ano, não chega aos pés da fila das refugiadas aqui”.

Repercussão negativa

Além de poder perder o mandato, Arthur do Val pode ser expulso do partido e até mesmo ser preso.

O ex-juiz Marlon Reis, um dos autores da Lei Ficha Limpa, explicou em suas redes sociais que o caso pode ser enquadrado na Lei de Crimes Raciais. “Houve discriminação de cunho sexista”, explicou Reis citando o artigo 20 da Lei 7.716/89.

“Como foi praticado pela internet e os receptores da mensagem estavam no Brasil, entendo que o Judiciário brasileiro é competente para processar e julgar o deputado racista”, completou.

Além disso, a namorado do parlamentar,  Giulia Blagitz, encerrou seu relacionamento com ele e anunciou a decisão nas redes sociais horas após a divulgação dos áudios.

“Em respeito a todos os meus seguidores que também seguiam o Arthur gostaria de deixar claro que seguiremos caminhos diferentes. Infelizmente a vida é imprevisível”, disse Blagitz.

Podemos repudia fala

“O Podemos repudia com veemência as declarações e, com base nelas, instaura de imediato um procedimento disciplinar interno para apuração dos fatos. Até este momento o partido não havia conseguido contato com o deputado, que estava em voo”, diz nota do partido de Arthur do Val.

Parlamentar pede desculpas

Ao retornar ao Brasil, o deputado Mamãe Falei foi abordado por jornalistas ainda no aeroporto e precisou se explicar.

“Foi errado o que eu falei. Não é isso que eu penso. O que eu falei foi um erro, em um momento de empolgação”, disse ele. “Se as pessoas querem me julgar, eles têm o direito. Eu só quero que entendam que são contextos diferentes. Uma coisa é o Arthur que foi lá fazer a missão. Outra coisa é o Arthur que já tinha saído [da Ucrânia] e mandou um áudio em grupo privado, para os amigos dele, de forma errada, descabida, não foi na melhor das posturas, é nítido aquilo. Mas, como eu te falei, é um áudio privado”.

Por Redação Exibir Gospel